Dificuldades dos enfermeiros de cuidados intensivos ao cuidar doentes em fim de vida

Autores

  • Eugénia Tareco Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo
  • Alexandra Madeira Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo

DOI:

https://doi.org/10.31877/on.2013.23.02

Palavras-chave:

cuidados intensivos, fim de vida, obstáculos, morte, comunicação

Resumo

O presente artigo traduz a revisão sistemática da literatura com o objectivo de analisar as dificuldades dos enfermeiros de cuidados intensivos no cuidar o doente em fim de vida.

Objectivo: Identificar quais as principais dificuldades/obstáculos dos enfermeiros de cuidados intensivos ao cuidar de doentes em fim de vida e identificar algumas medidas facilitadoras na prestação desses cuidados.

Metodologia: Para a elaboração deste trabalho foram seleccionados 5 artigos de investigação de uma amostra inicial de 29 retirados da base de dados EBSCO. A metodologia usada foi a PI C OD.

Resultados: Os principais obstáculos/dificuldades identificados pelos enfermeiros da UCI à prestação de cuidados ao doente em fim de vida relacionam-se com a comunicação de informações junto dos familiares sobre a situação do doente, a utilização de tratamentos e procedimentos agressivos, desacordo quanto ao plano de cuidados estabelecido pela equipa de saúde e familiares com dificuldade em aceitarem e compreenderem o prognóstico.

Conclusões: As principais conclusões obtidas revelam que os enfermeiros das UCI têm a percepção de quais os obstáculos à prestação de cuidados ao doente em fim de vida e de que a integração dos cuidados paliativos nos cuidados prestados na UCI será uma mais-valia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lourenço, S. & Cunha, T. (2006). Cuidar em fim de vida - impacto nos profissionais http://www.scribd.com/doc/2454684/Cuidar-em-Fim-de-Vida-Impacto-nos-Profissionais.

Ciccarello, G. (2003, September). Strategies to improve end-of-life care in the intensive care unit. Dimensions of Critical Care Nursing, 22(5), 216-222. Retrieved April 18, 2009, from CINAHL Plus with Full Text database.

Hennezel, M. (2001) A arte de morrer (3.ª ed). Lisboa: Editorial Noticias.

Silva, G. F. da S., Sanches, P. G., Carvalho, M. D. de B. (2007) - Reflectindo sobre o cuidado de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva. In: Revista Mineira de Enfermagem. Belo Horizonte. Vol. 11, nº 1 (Jan.- Mar. 2007), p.1-9. Disponível em:

www: http://www.prtalbvsenf.eerp.usp.br/scielo.php?sript=sci_arttext&pid=S1415-27622X>. ISSN 1415-2762.

Marques, P.& Vieira, M. (2007). Princípios éticos gerais no agir em enfermagem: condicionamentos à intervenção de enfermagem promotora de dignidade das pessoas em fim de vida internadas em unidades de cuidados intensivos. S.Camilo. 1 (2). p.45-55. Disponível

em: http://www.scamilo.edu.br/pdf/bioethikos/57/Principios_eticos_gerais_no_agir_em_enfermagem.pdf

Gross, A. (2006, March). End-of-life care obstacles and facilitators in the critical care units of a community hospital. Journal of Hospice & Palliative Nursing, 8(2), 92-102. Retrieved April 18, 2009, from CINAHL Plus with Full Text database.

Tager, D. K. (2001) Viver a morte. Lisboa: Estampa.

Asch, D., Shea, J., Jedrziewski, M. & Bosk, C. (1997). The limits of suffering: critical care nurses views of hospital care at the end of life. Soc Sci Med, 45.p.1661-1668 Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9428086.

Cartwright, C., Steinberg, M.Williams, G. & Najman, J. (1997). Issues of death and dying: the perspective of critical care nurses. Aust Crit Care, 10.p.81-87 Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9362607.

Beckstrand, R., Callister, L., & Kirchhoff, K. (2006). Providing a good death: critical care nurses’ suggestions for improving end-of-life care. American Journal of Critical Care, 15(1), 38-46. Retrieved April 18, 2009, from CINAHL Plus with Full Text database.

Beckstrand, R., & Kirchhoff, K. (2005, September). Providing end-of-life care to patients: critical care nurses’ perceived obstacles and supportive behaviors. American Journal of Critical Care, 14(5), 395-403. Retrieved April 18, 2009, from CINAHL Plus with Full Text database.

Curtis, J. (2008, April). Caring for patients with critical illness and their families: the value of the integrated clinical team. Respiratory Care, 53(4), 480-487. Retrieved April 18, 2009, from CINAHL Plus with Full Text database.

Gurses, A. P., Carayon, P. (May/June 2007).Performance Obstacles of Intensive Care Nurses. Nursing Research. Volume 56 - Issue 3 - pp 185-194.

Medland, J. &Ferrans, C. (1998). Effectiveness of structured communication program for family members of patients in an ICU. American Journal of Critical Care.7, p. 24-29. Disponível em: http://ajcc.aacnjournals.org/cgi/content/abstract/7/1/24.

Pierce, S. (1999). Improving end of life care: gathering suggestions from family members. Nurs Forum. 34, p. 5-14. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10603852?dopt=Abstract.

Downey, L., Engleberg, R., Shannon, S., & Curtis, J. (2006, November). Measuring intensive care nurses’ perspectives on family-centered end-of-life care: evaluation of 3 questionnaires. American Journal of Critical Care, 15(6), 568-579. Retrieved April 24, 2009, from CINAHL Plus

with Full Text database.

Pereira. M. A. G. (2008, Abril) Comunicação de más notícias e gestão do luto. Formasau – Formação e Saúde, Lda.

Singer, P., Martin, D. & Kelner, M. (1999). Quality of life care: patient’s perspectives. JAMA, 281.p.163-168

Disponível em : http://jama.ama-assn.org/cgi/content/abstract/281/2/163.

Downloads

Publicado

25-03-2013

Como Citar

1.
Tareco E, Madeira A. Dificuldades dos enfermeiros de cuidados intensivos ao cuidar doentes em fim de vida. journal [Internet]. 25 de Março de 2013 [citado 28 de Maio de 2024];(23):17-25. Disponível em: https://onco.news/index.php/journal/article/view/167

Edição

Secção

Artigos de Revisão