Tansmissão e gestão de más notícias à pessoa com doença oncológica e família

Autores

  • Mafalda Ferreira Serviço de Oncologia Médica e Neurologia, Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Lisboa
  • Patrícia Alves Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, Lisboa

Palavras-chave:

Más notícias, Comunicação, Cuidados de enfermagem, Doente oncológico e Família

Resumo

Introdução: O processo de transmissão e gestão de más notícias em oncologia é complexo e suscetível de ser fonte de desconforto para todos os intervenientes. Ao considerar-se a grande proximidade com a pessoa doente e família, os enfermeiros assumem-se como um elemento chave, sendo essencial o desenvolvimento de competências nesta área de intervenção.

Objetivos: Desenvolver competências na transmissão e gestão de más notícias à pessoa com doença oncológica e família, bem como promover a melhoria dos cuidados de enfermagem neste âmbito.

Métodos: Este trabalho foi desenvolvido com base numa metodologia de projeto. Inicialmente, a temática foi identificada como uma necessidade de formação, não só pessoal mas também da equipa de enfermagem do serviço de Medicina Interna onde prestava cuidados. Posteriormente foi realizado um estágio em locais caracterizados por terem boas práticas nesta área de intervenção.
Ao longo deste percurso foram aplicados questionários, elaborada uma Scoping Review segundo a metodologia do Instituto Joanna Briggs, construídos documentos de apoio à prática, realizada reflexão sobre a ação, observação da prática, prestados cuidados à pessoa com doença oncológica/família e realizadas sessões de formação.

Resultados: Foram desenvolvidas competências no uso de técnicas de comunicação, no estabelecer da relação terapêutica com a pessoa doente/família e no âmbito da gestão emocional, possibilitando uma prática de enfermagem avançada. Os enfermeiros que receberam treino de competências consideraram que foi uma contribuição positiva para a sua prática, enaltecendo a importância de ter maior conhecimento relativamente a linhas orientadoras para a transmissão e gestão de más notícias, da discussão de casos práticos e da reflexão sobre a prática.

Conclusão: É possível o desenvolvimento de competências nesta área de intervenção tendo como base a experiência profissional e o uso da metodologia referenciada, desde que os enfermeiros tenham consciência das suas necessidades formativas e estejam recetivos para melhorar a sua prática. É vital um maior investimento em formação teórico-prática na transmissão e gestão de más
notícias. Sublinha-se igualmente a necessidade de se desenvolver investigação em enfermagem nesta temática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Organização Mundial da Saúde (2014). Global Status Report of Non Communicable Diseases 2014. Acedido em Março de 2017. Disponível em http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/148114/1/9789241564854_eng.pdf?ua=1.

Direção Geral da Saúde (2016). Portugal – Doenças Oncológicas em Números, 2015 - Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Lisboa: Direção Geral da Saúde.

Organização Mundial da Saúde (2012). Globocan: Estimated Cancer Incidence, Mortality and Prevalence Worldwide in 2012. Acedido em Outubro de 2016. Disponível em https://www.iarc.who.int/news-events/latest-world-cancer-statistics-globocan-2012-estimated-cancer-incidence-mortality-and-prevalence-worldwide-in-2012/.

Mukherjee, S. (2012). The Emperor of all Maladies: a biography of cancer. Lisboa: Bertrand Editora.

Cassidy, J., Bissett, D., Obe, R. (2002). Oxford Handbook of Oncology. Nova Iorque: Oxford University Press.

Guarda, H., Galvão, C. & Gonçalves, M. (2010). Apoio à família. In Barbosa, A. & Neto, I. (Ed.) Manual de Cuidados Paliativos (p. 749 – 760). Lisboa: Núcleo de Cuidados Paliativos do Centro de Bioética da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

McCray, N. (2000). Questões Psicossociais e da Qualidade de Vida. In Otto, S. (Ed.) Enfermagem em Oncologia (pág. 893 – 912). 3ª Ed. Lisboa: Lusociência.

Querido, A., Salazar, H. & Neto, I. (2010). Comunicação. In Barbosa, A. & Neto, I. (Ed.) Manual de Cuidados Paliativos (p. 461 – 486). Lisboa: Núcleo de Cuidados Paliativos do Centro de Bioética da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

Warnock, C. (2014). Breaking bad news: issues relating to nursing practice. Nursing Standard, 28 (45), p. 51 – 58.

Phaneuf, M. (2002). Comunicação, entrevista, relação de ajuda e validação. Loures: Lusociência.

Riley, B. (2000). Comunicação em Enfermagem. 4ª edição Loures: Lusociência

Baile, W. & Parker, P. (2011). Breaking bad news. In Kissane, D., Bultz, B., Butow, P. & Finlay, I. (Ed.) Handbook of Communication in Oncology and Palliative Care (p. 101 - 112). Oxford: Oxford University Press.

Warnock, C et. al (2010). Breaking bad news in inpatient clinical setting: role of the nurse. Journal of Advanced Nursing, 66 (7), p. 1543 – 1555.

Buckman, R. (1984). Breaking bad news: why is it still so difficult. British Medical Journal, 288, p. 1597-1599.

Buckman, R. (2005). Breaking bad news: the S-P-I-K-E-S strategy. Community Oncology, 2 (2), p. 138 – 142.

Caswell, G., et. al (2015). Communication between family carers and health professionals about end-of-life care for older people in the acute hospital setting: a qualitative study. Palliative Care. 14(35), p. 1-14.

Buckman, R. (2002). Communications and emotions: Skills and effort are key. BMJ, 325, p. 672.

Arnold, S. & Koczwara B. (2006). Breaking Bad News: Learning Through Experience. Journal of Clinical Oncology, 24 (31), p. 5098 – 5100.

Watson, J. (2002). Enfermagem: Ciência humana e cuidar – uma teoria de enfermagem. Loures: Lusociência.

Hallenbeck, J. & Periyakoil, V. (2011). Intercultural communication in palliative care. In Kissane, D., Bultz, B., Butow, P. & Finlay, I. (Ed.)Handbook of Communication in Oncology and Palliative Care (p. 389 – 398). Oxford: Oxford University Press.

Valizadeh, L. et. al (2014). Truth-telling and hematopoietic stem cell transplantation: Iranian nurses’ experiences. Nursing Ethics, 21 (5), p.518 – 529.

Twycross, R. (2003). Cuidados Paliativos. 2ª Ed. Lisboa: Climepsi Editores.

Rispail, D. (2002). Conhecer-se melhor para melhor cuidar: uma abordagem do desenvolvimento pessoal em cuidados de enfermagem. Loures: Lusociência.

Diogo, P. (2006). A vida emocional do enfermeiro: uma perspectiva emotivo-vivencial da prática de cuidados. Coimbra: Formasau.

Ordem dos Enfermeiros (2011). Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais. Lisboa: OE.

Ordem dos Enfermeiros (2001). Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem: enquadramento conceptual, enunciados descritivos. Lisboa: OE.

Pereira, M. (2005). Comunicação de más notícias em saúde e gestão do luto: contributos para a formação em enfermagem. Dissertação apresentada na Faculdade de Psicologia e de Ciências de Educação da Universidade do Porto, para obtenção do grau de Doutor em Ciências da Educação.

Downloads

Publicado

15-06-2019

Como Citar

1.
Ferreira M, Alves P. Tansmissão e gestão de más notícias à pessoa com doença oncológica e família. journal [Internet]. 15 de Junho de 2019 [citado 17 de Julho de 2024];(38):6-14. Disponível em: https://onco.news/index.php/journal/article/view/45

Edição

Secção

Artigos de Revisão