Perfil da pessoa que será submetida a Ostomia de eliminação intestinal na fase pré-operatória

Autores

  • Carla Silva Escola Superior de Enfermagem do Porto, Porto
  • Célia Santos Escola Superior de Enfermagem do Porto, Porto
  • Maria Alice Brito Escola Superior de Enfermagem do Porto, Porto

Palavras-chave:

Ostomia, colostomia, ileostomia, perfil de saúde, autocuidado

Resumo

Introdução: O cancro colorretal constitui uma das principais causas para a confeção de uma ostomia de eliminação intestinal (Krouse et al., 2016). Em Portugal estima-se que cerca de 20 a 25 mil pessoas vivam com uma ostomia de eliminação (Cabral, 2009). Importa, assim, conhecer o perfil deste grupo populacional na fase que antecede a cirurgia devido à sua influência no período posterior à confeção da ostomia e no processo de reabilitação e adaptação da pessoa à nova condição.

Objetivo: Descrever as características sociodemográficas, clínicas e de tratamento da pessoa que vai ser submetida a ostomia de eliminação intestinal no norte de Portugal.

Material e métodos: Estudo quantitativo, descritivo e transversal. Foi aplicado o formulário ”Desenvolvimento da competência de autocuidado da pessoa com ostomia de eliminação intestinal – CAO--EI”, validado para a população portuguesa, a uma amostra de conveniência de 50 participantes em três hospitais do norte do país.

Resultados: A idade média dos participantes era de 61 anos, variando as idades entre os 25 e os 85 anos. Verificou-se que 88% possuíam escolaridade, embora, destes, cerca de 71% tinham frequentado apenas o primeiro ciclo. Também 60% eram do sexo masculino, 86% casados ou viviam em união de facto e 78% possuíam um familiar cuidador, sendo em 62% dos casos o cônjuge. Todos os participantes estavam a aguardar a cirurgia colorretal com provável construção de ostomia de eliminação intestinal e todos sabiam referir o diagnóstico que motivava a cirurgia, sendo que 78% tinham carcinoma do reto, 82% iriam ser submetidos a colostomia e 52% a ostomia temporária. A maioria dos participantes (82%) nunca tinha contactado com alguém com estoma, 58% participou em consulta de Enfermagem de Estomaterapia e em metade da amostra foi efetuada marcação do estoma.

Conclusões: O conhecimento sobre o perfil sociodemográfico, clínico e de tratamento das pessoas que serão submetidas a ostomia de eliminação intestinal, ainda na fase pré-operatória, permite ao enfermeiro identificar, antecipadamente, as mais vulneráveis a desenvolver um processo de adaptação menos ajustado, permitindo-lhe, assim, mobilizar e coordenar recursos no sentido de implementar intervenções de enfermagem que respondam às necessidades específicas deste grupo populacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Black, P. (2011). The implications of stoma reversal on patient outcome. Gastrointestinal Nursing, 9(4), 20-24.

Borwell, B. (2009). Continuity of care for the stoma patient: psychological considerations. British Journal of Community Nursing, 14(8), 326-331.

Boyles, A. (2010). Patient outcomes and quality of life following stoma-forming surgery. Gastrointestinal Nursing, 8(8), 30-35;

Bowling, A. (2014). Research Methods in Health. Investigating health and health services (4th ed.). New York, USA: Mc Graw Hill Education.

Burch, J. (2015). Examining stoma care guidance for nurses. Gastrointestinal Nursing, 13(6), 17-25;

Butler, D. L. (2009). Early Postoperative Complications Following Ostomy Surgery. Journal of Wound Ostomy and Continence Nursing, 36(5), 513-519.

Cabral, A. (2009). Associação Portuguesa de Ostomizados (APO). Jornal da Secção Regional do Centro da Ordem dos Enfermeiros, 20, p. 14. Retirado de http://www.ordemenfermeiros.pt/sites/centro/informação/Documents/Jornal%20da%20SRC/jornal20.pdf;

European Ostomy Association (2012). Access to Ostomy Supplies and Innovation: Guiding Principles for European Payers. http://bit.ly/1c7hcxo (accessed 20 fevereiro 2016).

Fortin, M.-F. (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures: Lusodidacta, ISBN 978-989-8075-18-5, 595p.

Freixo, M. J. V. (2011). Metodologia Científica, Fundamentos, Métodos e Técnicas. 3.ª edição. Lisboa: Instituto Piaget, ISBN 978-989-659-077-2, p.296.

Krouse, R. S., Grant, M., McCorkle, R., Wendel, C. S., Cobb, M. D., Tallman, M. J., Ercolano, E., Sun, V., Hibbard, J. H. & Hornbrook, M. C. (2016). A chronic care Ostomy self-management program for cancer survivors. Psycho-Oncology, 25, 574-581.

Martins, L.M., Sonobe, H. M., Vieira, F. S., Oliveira, M. S. Lenza, N. F. B. & Teles, A. A. S. (2015). Rehabilitation of individuals with intestinal ostomy. British Journal of Nursing, 24(22), S4-S11.

Minkes, R. K. (2015). Stomas of the small and large intestine treatment and management. Retirado de http://emedicine.medscape.com/article/939455-treatment#showall;

Noone, P. (2010). Pre- and postoperative steps to improve body image following stoma surgery. Gastrointestinal Nursing, 8(2), 34-39.

O’Connor, G. (2005). Teaching stoma-management skills: the importance of self-care. British Journal of Nursing, 14(6), 320-324.

O’Connor, G., Coates, V., & O’Neill, S. (2010). Exploring the information needs of patients with cancer of the rectum. European Journal of Oncology Nursing, 14(4), 271-277.

Pinto, I. E. S., Santos, C. S. V. B., Brito, M. A. C, Queirós, S. M. M. (2016). Propriedades Psicométricas do Formulário Desenvolvimento da Competência de Autocuidado da Pessoa com Ostomia de Eliminação Intestinal. Revista Referência, 4(8), 75-84.

Pittman, J. (2011). Characteristics of the patient with an ostomy. Journal Wound Ostomy Continence Nursing, 38(3), 1-9.

Polit, D. F. & Beck, C. T. (2011). Fundamentos de Pesquisa em Enfermagem, Métodos, avaliação e utilização. 7.ª ed. Porto Alegre: Artmed, ISBN 9788536325453, 670p.

Readding, L. (2016). Practical guidance for nurses caring for stoma patients with long-term conditions. British Journal of Community Nursing, 21(2), 90-98.

Schreiber, M. L. (2016). Ostomies: Nursing Care and Management. MEDSURG Nursing, 25 (2), 127-130.

Simmons, K.; Smith, J.; Bobb, K.-A., & Liles, L. (2007). Adjustment to colostomy: stoma acceptance, stoma care self-efficacy and interpersonal relationships. Journal of Advanced Nursing, 60(6), 627-635.

Sinha, A., Goyal, H., Singh, S. & Rana, S. P. S. (2009). Quality of Life of Ostomates with the Selected Factors in a Selected Hospital of Delhi with a View to Develop Guidelines for the Health Professionals. Indian Journal of Palliative Care, 15(2), 111-114.

Slater, R. C. (2010). Managing quality of life in the older person with a stoma. British Journal of Community Nursing. 15(10), 480-484.

Tao, H., Songwathana, P., Isaramalai, S-A., & Zhang, Y. (2013). Personal awareness and behavioural choices on having a stoma: a qualitative metasynthesis. Journal of Clinical Nursing, 23, 1186-1200.

Taylor, C. & Morgan, L. (2010). Quality of life following reversal of temporary stoma after rectal cancer treatment. European Journal of

Oncology Nursing, 15(1), 59-66.

Treacy, J. T. & Mayer, D. K. (2000). Perspectives on Cancer Patient Education. Seminars in Oncology Nursing, 16(1), 47-56.

Tseng, H.-C., Wang H.-H., Hsu, Y.-Y. & Weng, W.-C. (2004). Factors Related to Stress in Outpatients with Permanent Colostomies. Kaohsiung Journal of Medical Sciences, 20(2), 70-76.

Vonk-Klaassen, S., Vocht, H., Ouden, M., Eddes, E., & Schuurmans (2016). Ostomy-related problems and their impact on quality of life of colorectal cancer ostomates: a systematic review. Quality of Life Research, 25, 125-133.

Downloads

Publicado

15-07-2016

Como Citar

1.
Silva C, Santos C, Alice Brito M. Perfil da pessoa que será submetida a Ostomia de eliminação intestinal na fase pré-operatória. journal [Internet]. 15 de Julho de 2016 [citado 21 de Fevereiro de 2024];(33):24-31. Disponível em: https://onco.news/index.php/journal/article/view/97

Edição

Secção

Artigos de Investigação