Como fazer a diferença na comunicação comprometida: aplicação da tabela de letras e palavras – caso clínico

Autores

  • Ana Frade IPO Lisboa, Lisboa
  • Carina José IPO Lisboa, Lisboa
  • Susana Miguel IPO Lisboa, Lisboa

Palavras-chave:

Traqueotomia, Comunicação comprometida, Cuidados de enfermagem, Estratégias aumentativas e/ou alternativas de comunicação

Resumo

Caso clínico sobre uma pessoa com patologia oncológica da laringe em evolução, sem indicação para cirurgia, traqueotomizada e com tetraparésia, dependente em grau elevado no autocuidado, com forte sentimento de revolta e tristeza por comunicação comprometida. Após avaliação cognitiva e funcional desta pessoa e da implementação de estratégias como gestos e mímica labial sem sucesso, objetivamos apresentar neste caso clínico, a solução de comunicação implementada com êxito, bem como, a optimização do seu modo de funcionamento, tendo em conta as condicionantes desta pessoa.
Foi aplicada uma estratégia aumentativa e/ou alternativa de comunicação através da utilização de uma tabela de letras e palavras. Após avaliação, esta estratégia foi considerada eficaz.

Conclui-se que os enfermeiros, ao deterem conhecimentos sobre as estratégias aumentativas e/ou alternativas de comunicação, serão capazes de desenvolver intervenções individualizadas que otimizem efetivamente a comunicação das pessoas com défices comunicacionais, melhorando a qualidade da prestação de cuidados. O recurso à utilização de uma tabela de letras e palavras, nesta situação revelou-se eficiente, tendo promovido a comunicação eficaz do doente com os profissionais de saúde e seus familiares, o que naturalmente contribuiu para a diminuição de sentimentos de frustração e revolta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Coelho, Y., Bissoli, A., Sime, M., Bastos-Filho, T. (2015). CAApp: Um Aplicativo Móvel de Comunicação Aumentativa e Alternativa para Pessoas com Deficiência Motora Severa. In: XV Workshop de Informática Médica - XXXV Congresso da Sociedade Brasileira de Computação, 2015. Recife: Anais.

Panhan, H. (2010). Comunicação Suplementar e Alternativa nos Distúrbios Neurológicos Adquiridos, 243-277. In Ortiz, K. et al. (eds). Distúrbios Neurológicos adquiridos: fala e deglutição (2ª ed). São Paulo: Manole.

Light, J. & McNaughton, D. (2014). Communicative Competence for Individuals who require Augmentative and Alternative Communication: A New Definition for a New Era of Communication? Augmentative and Alternative Communication, 30(1), 1-18.

Downloads

Publicado

12-12-2018

Como Citar

1.
Frade A, José C, Miguel S. Como fazer a diferença na comunicação comprometida: aplicação da tabela de letras e palavras – caso clínico. journal [Internet]. 12 de Dezembro de 2018 [citado 22 de Junho de 2024];(37):30-3. Disponível em: https://onco.news/index.php/journal/article/view/62