Vivências do cuidar informal à pessoa com dispneia no domicilio

Autores

  • Filipe Ferreira ENI – Empresário em Nome Individual
  • Esmeralda Barreira Instituto Português de Oncologia do Porto Francisco Gentil, Porto; Universidade Fernando Pessoa

Palavras-chave:

Cuidador Informal, Dispneia, Domicílio, Cancro

Resumo

A dispneia afeta a qualidade de vida da própria pessoa e da sua família, pela dificuldade de comunicação, pelo comprometimento do desempenho das atividades de vida diária, pela ansiedade e até pelo pânico. A maior parte dos doentes com cancro vivenciam episódios de dispneia, sendo esta, resultado da patologia primária, de metástases ou resultante do próprio tratamento. Nesta fase, o doente no domicílio necessita de um cuidador informal para o ajudar nas suas atividades.
Neste estudo de cariz descritivo-exploratório, participaram 14 cuidadores informais de pessoas com dispneia no domicílio. Os resultados evidenciam que os cuidadores informais diminuem as suas atividades sociais, e manifestam sentimentos dicotómicos de reconforto e tristeza por cuidarem do seu familiar. Em situações de episódios agudos de dispneia a apatia e desespero são as vivências predominantes nestes cuidadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

American Thoracic Society. (1999). Dyspnea. Mechanisms, assessment, and management: A consensus statement. American Journal of Respiratory and Critical Care medicine, 159, 321-340.

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. Lisboa, Edições 70.

Borg, G. (1982). Psychophysical bases of perceived exertion. Medicine & Science in Sports & Exercise, n.º 14, pp. 377-381.

Breaden, K. (2011). Recent advances in the management of Breathlessness. Indian Journal of Palliative Care, Supplement, pp. s39-s32.

Cachia, E.& Ahmedzai S. H. (2008). Breathlessness in cancer patient. European Journal of Cancer, vol. 44, pp. 1116-1123.

Cairns, L. (2012). Managing breathelessness in patients with lung cancer. Nursing Standard, 27 (13) pp. 44-49.

Caldeira, L. F. (2009). Sobrecarga do cuidador informal de idosos dependentes no Conselho de Ribeira Grande. [Em linha]. Disponível em

<https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/19131/2/ESCx.pdf> [Consultado em 18/05/2018].

Clemens, K. E., Quednau, I., & Klaschik, E., (2008). Is there a Higher risk os respiratory depression in opioid – naïve palliative care patients during symptomatic therapy of dyspnea with strong opioids? Journal of Palliative Medicine, vol.11 n.º 2.

Cruz, D. C., Loureiro, H. A., Silva, M. A., & Fernandes, M. M., (2010). As vivencias do cuidador informal do idoso dependente. Revista Científica da Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Domínio de Enfermagem, 3 (2), pp.127-136.

Currow, David C., Higginson, I. J., & Johnson, M. J. (2013). Breathlessness – current and emerging mechanisms, measurement and management: A discussion from na European Association of Palliative Care workshop, Journal of Palliative Medicine, pp. 932-938.

Dose, A.M., Carey, E. C., Rhudy, L. M., Chiu, Y., Frimannsdottir, K., Ottenber, A. L., & Koenig, B. A. (2015). Dying in the hospital: perspectives of family members. Journal of Palliative Care, 31 (1), pp. 13-20.

Duan, J., Fu, J., Gao, H., Chen, C., Fu, J., Shi, X. & Liu, X. (2015). Factor analysis of the caregiver quality of life index-cancer (CQOLC) scale for Chinese cancer caregivers: a preliminary reliability and validity study of the CQOLC. Chinese Version, Journal Plos One. Vol.10, p.1371.

Fortin, M. (2009b). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures, Lusociência.

Hill, M. e Hill, A (2016). Investigação por questionário. 2ª edição, 6ª impressão, Lisboa, Edições Silabo.

Hudson, P., Trauer T., Kelly B., O´Connor M., Thomas K., Zordan R., & Summers M., (2015). Reducing the psychological distress of family caregivers of home based palliative care patients: longer term effects from a randomised controlled trial. Psycho-Oncology, 24(1), pp. 19-24.

International Council Of Nurses (2015). CIPE, Classificação Internacional para a prática de enfermagem, versão 2015, Lisboa, Ordem dos Enfermeiros.

Janse, B., Hujjsman, R., Kuyper, R. D. M. & Fabbricotti, I. N. (2014). The effects of an integrated care intervention for the frail elderly on informal caregivers: a quasiexperimental study. BMC Geriatrics, Vol.14, pp.58-70.

Joyce, M. M. (2010). Dyspnea In C.G. Brown, A guide to oncology symptom management. Pittsburgh, PA: Oncology Nursing Society, p. 199-223.

Kirby, E., Good, A. B. P., Wootton, J. & Admas, J., (2014). Families and the transation to specialist palliative care. Mortality, Vol.19, pp. 323-341.

Marciniuk, D., Goodridge, D., Hernandez, P., Rocker, G., Balter, M., Bailey, P., Ford, G., Bourbeau, J., O’Donnell, D. E., Maltais, F., Mularski, R. A., Cave, A. J., Mayers, I., Kennedy, V., Oliver, T. K., Brown, C., & Canadian Thoracic Society COPD Committee Dyspnea Expert Working Group (2011). Managing dyspnea in patines with advances chronic obstructive pulmonar disease: A Canadian Thoracic Society clinical practice guideline. Canadian Respiratory Journal , vol. 18, pp. 1-10.

Miravitlles, M., Longobardo, L. M. P., Moreno, J. O., & Vega, A. H., (2015). Caregivers´burden in patients with COPD. Internacional Journal of COPD: 10. pp. 347-356.

Putting Evidence into Practice - Transpondo a Evidência para a Prática (PEP), (2012). Associação Enfermagem Oncológica Portuguesa. Adaptado para os Recursos Euro-PEP de www.ons.org/Research/PEP.

Sarmento, E., Pinto, P., & Monteiro, S., (2010). Cuidar do Idoso, dificuldades dos familiares. Coimbra: Formasau.

Sequeira, C. (2018). Cuidar de Idosos com Dependência Física e Mental, 2ª edição. Lisboa, Lidel Edições.

Soares, Maria S. R. (2012). A pessoa com oxigenoterapia de longa duração. Estudo sobre o modelo de cuidados de enfermagem em contexto domiciliário. Tese de doutoramento apresentada a Universidade Católica Portuguesa, Instituto de Ciências da Saúde. Porto.

Streubert, H. J. & Carpenter, D. R. (2006). Investigação qualitativa em enfermagem: Avançando o imperativo humanista. Loures, Lusiciência.

Viola, R., Kiteley, C., Lloyd, N.S., Mackay, J.A., Wilson, J., & Wong, R.K. (2008). The management of dyspnea in cancer patients: a systematic review. Support Care Center, vol. 16, pp. 329-337.

Downloads

Publicado

15-06-2020

Como Citar

1.
Ferreira F, Barreira E. Vivências do cuidar informal à pessoa com dispneia no domicilio. journal [Internet]. 15 de Junho de 2020 [citado 12 de Abril de 2024];(40):6-10. Disponível em: https://onco.news/index.php/journal/article/view/28

Edição

Secção

Artigos de Investigação