Doente com Neutropenia Febril: Uma Intervenção Especializada – Revisão Integrativa da Literatura

Autores

  • Cristina Santos Enfermeira no Instituto Português de Oncologia do Porto, Porto
  • Ana Sabrina Sousa Centro Hospitalar S. João; Universidade Católica Portuguesa

Palavras-chave:

Enfermagem Oncológica, Febre, Neutropenia Febril, Neutropenia Febril Induzida por Quimioterapia, Tratamento Farmacológico

Resumo

A Neutropenia Febril é considerada uma das complicações mais frequentes no doente oncológico tratado com Quimioterapia, conduzindo a complicações graves. Este trabalho tem como objetivo identificar as intervenções de enfermagem autónomas e interdependentes promotoras da prevenção do choque sético no doente oncológico submetido a Quimioterapia com Neutropenia Febril.   Para tal, foi realizada uma revisão integrativa da literatura, nas bases de dados CINAHL Complete, MEDLINE Complete, Nursing & Allied Health Collection: Comprehensive Cochrane Central Register of Controlled Trials, Cochrane Database of Systematic Reviews, Cochrane Methodology Register Library, Information Science & Technology Abstracts e MedicLatina, tendo sido selecionados nove artigos que preenchiam os critérios de pesquisa.   Os resultados encontrados permitem identificar as intervenções de enfermagem implicadas no cuidado ao doente oncológico submetido a tratamento de Quimioterapia com Neutropenia Febril preventivas do choque sético. Estas foram agrupadas em oito unidades de análise de Intervenções de Enfermagem, sendo as de maior prevalência nos estudos analisados o Cumprimento de protocolos/Guidelines de atuação e a Educação para a saúde. Foram ainda agrupadas em autónomas e interdependentes segundo o REPE de forma a responder à questão de investigação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Atalaia, G., Vasconcelos, P., & Bragança, N. (2015). Neutropenia febril|Febrile neutropenia. Revista Clínica do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, 3 (1), 13-19.

Becze, E. (2018). Put Evidence Into Practice to Prevent Infection. ONS Voice, 33(4), 18–19.

Best, J. T., Frith, K., Anderson, F., Rapp, C. G., Rioux, L., & Ciccarello, C. (2011). Implementation of an evidence-based order set to impact initial antibiotic time intervals in adult febrile neutropenia. Oncology Nursing Forum, 38(6), 661–668. https://doi.org/10.1188/11.ONF.661-668

Bettany-Saltikov, J. (2012). How to do a systematic literature review in nursing: a step-by-step guide. McGraw-Hill Education (UK).

Blackburn, L. M., Bender, S., & Brown, S. (2019). Acute Leukemia: Diagnosis and Treatment. Seminars in Oncology Nursing, 35(6), N.PAG. https://doi.org/10.1016/j.soncn.2019.150950.

Bodey, G. P., Buckley, M., Sathe, Y. S., & Freireich, E. J. (1966). Quantitative relationships between circulating leukocytes and infection in patients with acute leukemia. Annals of Internal Medicine, 64(2), 328–340. https://doi.org/10.7326/0003-4819-64-2-328.

Campbell, J., Cusack, L., & Green, C. (2016). The role of the oncology nurse practitioner in the clinical management of febrile neutropenia. Australian Journal of Cancer Nursing, 17(1), 20–25.

Conley, S. B. (2016). Central Line-Associated Bloodstream Infection Prevention: Standardizing Practice Focused on Evidence-Based Guidelines. Clinical Journal of Oncology Nursing, 20(1), 23–26. https://doi.org/10.1188/16.CJON.23-26.

da Cruz, F. S., & Rosssato, L. G. (2015). Cuidados com o paciente oncológico em tratamento quimioterápico: o conhecimento dos enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Cancerologia, 61(4), 335-341.

de Moraes Rosolem, M. (2012). Pacientes Críticos com Câncer e Sepse: Evolução Clínica e Fatores Prognósticos. Instituto Nacional de Câncer, Rio de Janeiro, 2012.

Ferreira, F., & Gomes, S. (2017). Neutropenia-papel do enfermeiro. Revista Evidências, (III Sulplemento), 25-27.

Ferreira, J. N., Correia, L. R. B. R., de Oliveira, R. M., Watanabe, S. N., Possari, J. F., & Lima, A. F. C. (2017). Manejo da neutropenia febril em pacientes adultos oncológicos: revisão integrativa da literatura. Revista Brasileira de Enfermagem, 70(6), 1371-1378.

Fowler, M. (2015). Management of Patients with Low-Risk Febrile Neutropenia. Cancer Nursing Practice, 14(5), 16–21.

ICN - Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem: Versão 2. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros, 2012.

Kameo, S. Y., de Souza, D. F., Nogueira, J. F., da Cunha Santos, L., & Amorim, B. F. (2018). Urgências e Emergências Oncológicas: Revisão Integrativa da Literatura. Revista Brasileira de Cancerologia, 64(4), 541-550.

Kannangara, S. (2006). Management of febrile neutropenia. Community Oncology, 9(3), 585-591.

Khan, S., McPartlin, A., Tetlow, C., Choudhury, A., & Lyons, J. (2012). Identifying patients at risk of neutropenic sepsis. Cancer Nursing Practice, 11(6).

Langhorne, M., Langhorne, M. E., Fulton, J. S., & Otto, S. E. (2007). Oncology Nursing. Mosby/Elsevier.

Leonard, K. (2012). A European survey relating to cancer therapy and neutropenic infections: nurse and patient viewpoints. European Journal Of Oncology Nursing: The Official Journal Of European Oncology Nursing Society, 16(4), 380–386. https://doi.org/10.1016/j.ejon.2011.08.004.

Lima, M. F. S., & Minetto, R. C. (2014). Conhecimento de pacientes onco-hematológicos em tratamento quimioterápico sobre os cuidados para prevenção de infecções. Com Ciências Saúde [Internet], 25(1), 35-44.

Lopes, F. (2011). Neutropénia febril no doente oncológico. Sessões Clínicas do HFF. Serviço de Oncologia.

O’Brien, C., Dempsey, O., & Kennedy, M. J. (2014). Febrile neutropenia risk assessment tool: improving clinical outcomes for oncology patients. European Journal Of Oncology Nursing: The Official Journal Of European Oncology Nursing Society, 18(2), 167–174. https://doi.org/10.1016/j.ejon.2013.11.002.

Olsen, J. P., Baldwin, S., & Houts, A. C. (2011). The Patient Care Monitor-Neutropenia Index: development, reliability, and validity of a measure for chemotherapy-induced neutropenia. Oncology Nursing Forum, 38(3), 360–367. https://doi.org/10.1188/11.ONF.360-367.

Ordem dos Enfermeiros. (2012). REPE e Estatuto da Ordem dos Enfermeiros. Lisboa.

Pereira, M. P., Kessler, A. C., Rovinski, D., & Fernandes, M. S. (2012). Neutropenia febril. Acta Méd.(Porto Alegre), 33(1), 6-6.

Peyrony, O., Gerlier, C., Barla, I., Ellouze, S., Legay, L., Azoulay, E., ... & Fontaine, J. P. (2020). Antibiotic prescribing and outcomes in cancer patients with febrile neutropenia in the emergency department. PloS one, 15(2), e0229828.

Portugal. Ministério da Saúde – Recomendações para as precauções de isolamento, precauções básicas e precauções dependentes das vias de transmissão. Lisboa: DGS, 2007b. [Consult. em 19 Ago.2020]. Disponível em http://www.dgs.pt.

Ravetti, C. G., Moura, A. D., Teixeira, A. L., & Pedroso, Ê. R. P. (2014). Sepse em pacientes oncológicos admitidos em CTI: epidemiologia, fisiopatologia e biomarcadores. Rev Med Minas Gerais, 24(3), 397-403.

Roe, H., & Lennan, E. (2014). Role of nurses in the assessment and management of chemotherapy-related side effects in cancer patients. Nursing: Research and Reviews, 4, 103-115.

Taplitz, R. A., Kennedy, E. B., Bow, E. J., Crews, J., Gleason, C., Hawley, D. K., ... & Strasfeld, L. (2018). Outpatient management of fever and neutropenia in adults treated for malignancy: American Society of Clinical Oncology and Infectious Diseases Society of America clinical practice guideline update. Journal of Clinical Oncology, 36(14), 1443-1453.

Venâncio, I. M. S. (2013). Neutropenia febril em doentes oncológicos.

Wilson, B. J., Zitella, L. J., Erb, C. H., Foster, J., Peterson, M., & Wood, S. K. (2018). Prevention of Infection: A systematic review of evidence-based practice interventions for management in patients with cancer. Clinical Journal of Oncology Nursing, 22(2).

Downloads

Publicado

07-06-2021

Como Citar

1.
Santos C, Sousa AS. Doente com Neutropenia Febril: Uma Intervenção Especializada – Revisão Integrativa da Literatura. journal [Internet]. 7 de Junho de 2021 [citado 11 de Dezembro de 2023];(42):22-9. Disponível em: https://onco.news/index.php/journal/article/view/17

Edição

Secção

Artigos de Revisão