Controlo sintomático no doente oncológico: boas práticas de cuidados

Autores

  • Paula Banha Serviço Oncologia, Centro Hospitalar Setúbal, Setúbal
  • Duarte Costa Serviço Oncologia, Centro Hospitalar Setúbal, Setúbal
  • Isabel Mendes Serviço Oncologia, Centro Hospitalar Setúbal, Setúbal

DOI:

https://doi.org/10.31877/on.2013.25.04

Palavras-chave:

Controlo de sintomas, adesão

Resumo

Num Serviço de Oncologia o alvo das intervenções de enfermagem são doentes em tratamento de quimioterapia, radioterapia, hormonoterapia, terapêutica biológica, terapêuticas target, cuidados paliativos e terapêutica de suporte, e onde se torna imperativo o controlo sintomático.

Produzir um guia de boa prática de cuidados no contexto do controlo sintomático no doente oncológico levou-nos a refletir não só sobre os diagnósticos de enfermagem, como também sobre os conceitos de adesão ao tratamento, autocuidado, autocontrolo, avaliar, monitorizar, intervenções farmacológicas e não farmacológicas, que serão aqui tratadas segundo a linguagem CIPE. É por isso fundamental que as intervenções de enfermagem estejam direcionadas para a avaliação sistemática dos sinais e sintomas e para as intervenções, tanto farmacológicas como não farmacológicas, e para o seu controlo. Um controlo adequado da dor e de outros sintomas é um fator central na qualidade de vida de doentes com doença avançada.

Os objetivos são fornecer orientações gerais sobre abordagem e tratamento no contexto do controlo sintomático, baseadas nas experiências clínicas e na evidência científicas, suportada pelas referências bibliográficas, e uniformizar a intervenção de enfermagem ao nível do controlo de sintomas no doente oncológico. A elaboração de guias orientadores de boa prática de cuidados de enfermagem é considerada instrumento de qualidade. É nestes instrumentos que os enfermeiros devem basear a sua intervenção, tornando os cuidados que prestam mais seguros, visíveis e eficazes.

Estes instrumentos, quando rigorosamente elaborados e utilizados, podem ser uma base para sistematizar as intervenções de enfermagem, adequando a eficiência e segurança da ação à eficácia dos resultados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CASTRO, Susana C. P.( 2001) – Como aprende o cuidador principal do doente oncológico em fase terminal a cuidar no domicílio. Porto: Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar. Tese de Mestrado.

DIAS et al. (2011) – Adesão ao regime terapêutico na doença crónica: revisão da literatura, Millenium, 40; 201-219.

Direção Geral Saúde (2001) – Plano Nacional de Luta Contra a Dor. Lisboa: Grafifina, Lda. ISBN 972-9425-95-7.

DIREÇÃO GERAL SAÚDE (2005) – Programa Nacional de Cuidados Paliativos. Lisboa: Europress, Lda. ISBN 972-675-124-1.

DIREÇÃO GERAL SAÚDE (2008) – Programa Nacional de Controlo da Dor. Lisboa: Grafifina, Lda. ISBN 972-9425-95-7.

FERRELL, Betty R. et al. (1994) – Pain Management for Elderly Patients with Cancer at Home. Cancer Supplement. 74(7):2139-46. http://search.ebscohost.com.

MARMELO, H (2012) – Controlo da dor em ambulatório no doente oncológico em cuidados paliativos. Tese de Mestrado em Enfermagem Médico-Cirurgica na vertente oncologia. ESEL

ORDEM DOS ENFERMEIROS – Estabelecer parcerias com os indivíduos e as famílias para promover a adesão ao tratamento – Catálogo da Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem (CIPE® – do original «Partnering with Individuals and Families to Promote Adherence to Treatment. International Classification for Nursing Practice (ICNP® Catalogue». DPI Cromotipo. ISBN 978-989-96021-1-3 em http://www.ordemenfermeiros.pt/publicacoes/Documents/KIT_DIE_2010.pdf

ORDEM DOS ENFERMEIROS – Cuidados Paliativos para uma morte Digna – Catálogo da Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem (CIPE®) – do original «Palliative Care for Dignified Dying. International Classification for Nursing Practice (ICNP®) Catalogue», 2010. DPI Cromotipo. ISBN 978-989-84444-02-8

ORDEM DOS ENFERMEIROS – Dor. Guia Orientador de Boas Práticas. DPI Cromotipo, 2008. ISBN 978-972-99646-9-5.10. OREM, Dorothea E. (1980) – Nursing: concepts of practice. 2ª Edição. New York: McGraw-Hill Book Company. ISBN 0-07-047718-3

PACHECO, Susana (2004) – CUIDAR. A pessoa em fase terminal. Perspectiva ética. 2ª Edição. Loures: Lusociência, 2004. ISBN 972-8383-30-4.

REDMAN, Barbara K. (2003) – Measurement Tools in Patient Education. 2ª Edição. New York: Springer Publishing Company. ISBN 0-8261-9859-7

SOUSA, Daniela Almeida (2012) – Sintomas em cuidados paliativos: da avaliação ao controlo - Dissertação de Mestrado em Oncologia.

TWYCROSS, Robert (2003) – Cuidados paliativos. 2ª Edição. Lisboa: Climepsi Editores. ISBN 972-796-093-6.

Downloads

Publicado

20-11-2013

Como Citar

1.
Banha P, Costa D, Mendes I. Controlo sintomático no doente oncológico: boas práticas de cuidados. journal [Internet]. 20 de Novembro de 2013 [citado 1 de Junho de 2023];(25):32-7. Disponível em: https://onco.news/index.php/journal/article/view/152

Edição

Secção

Artigo Teórico